29.4.08

onde se lê:

"Movimento de Apoio de Militantes do PSD a Nível Nacional de Alberto João Jardim a Presidente do Partido" deve ler-se: Militantes do PSD desesperados por uma solução suficientemente estranha que traga alguma esperança de poder (ainda mais patético) à política do País.

34 comentários:

VM disse...

o estranho é que ninguem está interessado em mostrar ao país ideias para mudar o rumo das coisas, nada... o que eles todos querem é derrotar o Socrates... fantastico não é? Para isso vou ver um jogo qualquer do SL Benfica, a merd* é a mesma (e depois queixam-se que a juventude prefere a praia e nada sabe do 25 de abril... pudera, governam contra eles...)

Anónimo disse...

"o que eles todos querem é derrotar o Socrates..."
e não chega?

VM disse...

ó anonimo acha? derrotamos o socrates e depois? aumentamos o defice é? o que fazemos com os jovens? continuam os recibos verdes? Por acaso ouviu alguma ideia? Não... a unica coisa que ouvi foi "vamos eleger uma pessoa forte para derrotar Socrates em 2009"... e ideias? Não há? Fazemos da politica um jogo de futebol...

Sarita disse...

concordo contigo vm... mas por acaso alguém acredita que o AJJ pode derrotar o Sócrates... bem sei que os portugueses começam a estar desesperados e a achar que a política portuguesa não é mais que uma tremenda palhaçada... mas não me parece que cheguemos a tanto...
isso seria mesmo o cúmulo do desespero...

VM disse...

ehehehe será que é o ps que anda a recolher assinaturas para o AJJ ser candidato? Assim seria o suicidio do PSD... ahahahaha

Sarita disse...

lolol... bem visto! eheheheh

Anónimo disse...

Menezes que tem excelente obra em Gaia não prestava, Alberto João que tem maravilhosa obra na Madeira não presta, então quem presta neste país? O mentiroso do Sócrates?
A quem antes de mim falou em défice, apenas um alerta: Sabe ler os nº que a Direcção-Geral do Orçamento e INE divulgam mensalmente ou apenas sabe ler jornais?
Infelizmente para todos nós, muitos dos jornalistas que escrevem sobre economia nada percebem do tema, pois se percebessem não escreveriam tanta asneira como escrevem, ou então, outros valores mais altos se levantam...

VM disse...

Caro anonimo: Menezes tem trabalho na câmara de Gaia, mas como está a câmara de Gaia? Falida? Santana Lopes deixou trabalho na Figueira da Foz e em Lisboa e como ficaram ambas as câmaras? Falidas? AJJ tem trabalho na Madeira com o dinheiro de quem? Dos contribuintes nacionais a quem ele pouco respeita, alias Sócrates apoiado em números nacionais/europeus (sim que eu também sei ler números oficiais e não apenas jornais) cortou o dinheiro que todos nos despendemos fruto do nosso trabalho porque a Madeira já atingiu um patamar de evolução maior que certas regiões europeias (como a Flandres por exemplo), dai que a Europa cortar no dinheiro mandado para o AJJ e ele, fantasticamente, injuriar contra este governo (e indirectamente qualquer português que recebe a sua folha de ordenado ao final do mês e vê quanto largou para o estado). Portanto caro anónimo não preciso de olhar para qualquer número para saber que o Sócrates ate pode ser mentiroso, mas prefiro este mentiroso (porque este eu já sei o que ele pensa/faz) do que mandar para lá pessoas que, atenção, em 7 meses (governo de Santana) fizeram elevar um défice de 3% para 6%... ou nega isso? É que por causa desses 7 meses andamos todos de cinto apertado à 2 anos (caso a minha memoria não me falhe), se o caro anónimo quer continuar a viver à grande então acho que faz bem viver na ilusão de um estado rico e vote em quem quer, agora eu prefiro voltar na realidade, e a realidade mostra-me que candidatos que querem chegar a 1º ministros não tem uma única ideia para este país… diga-me uma… só uma, não daquelas do género “vamos abaixar o IVA”, porque dessas já sabemos à muito que é mentira… diga-me uma, apenas uma, de protecção ao trabalho e trabalhadores, distribuição de riqueza, ajudas aos jovens que acabam de sair das escolas/universidades e andam a procura de trabalho e casa e de seguranças para a sua vida futura… diga-me apenas uma ideia que alguém que procura chegar à presidência do maior partido da oposição e quiçá chegar a 1º ministro tenha defendido? Se calhar é melhor chegar a ministro para depois sair para uma dessas empresas grandes (como a Mota/Engil) e ter um salário/reforma milionária… não é?

Jorge Oliveira disse...

Caro Vm,
E o país do défice cor-de-rosa de Sócrates como está?

VM disse...

Caro Jorge Oliveira: abaixo dos 3%...

Jorge Oliveira disse...

É, caro Vm,
o país, esse, infelizmente está muito abaixo (em baixo).

VM disse...

Caro Jorge Oliveira: ai concordamos os dois... mas em parte a culpa não será nossa? (enquanto povo?)

Anónimo II disse...

Não sou o mesmo anónimo com que se travou de razões, mas dou uma achega com razões minhas.
Não é verdade que a obra de Jardim se tenha realizado com dinheiros exclusivamente continentais. É, aliás, ridícula a percentagem no Orçamento regional. Se Jardim sempre armou guerra com os governos nacionais, terá sido simplesmente por motivos eleitorais. Quanto ao dinheiro da UE, ao menos Jardim aproveitou-o (e o corte foi em primeiro lugar geral para todos os estados, e depois mais profundo na Madeira, Algarve e Lisboa).

Jardim, Menezes e Santana são de áreas completamente diferentes (embora tenham, ultimamente, alinhado nalgumas questões). Jardim é Jardim, conhaque é conhaque. (até porque essa questão de Gaia é facilmente reversível).

Quanto a Santana: é absolutamente mentira isso que afirmou (da subida do défice de 3% para 7%).

Por último:"acho que faz bem viver na ilusão de um estado rico". Está a gozar, não está? Quem é que pode viver bem neste país em que o estado fica com quase 6 meses de salário (grande parte dos impostos criados e aumentados por Sócrates, o mesmo que eleitoralmente prometeu não os aumentar)?

E essa de defender a mentira, digo-lhe só...

VM disse...

Caro anónimo II: este “post” já vai longo e não pretendo trazer para aqui discussões sobre diferentes pontos de vista, no entanto pretendo responder ao seu comentário, fazendo-o por pontos, ok?

1) Eu não afirmei que as obras do AJJ tenham sido feitas exclusivamente com dinheiro luso, o que eu disse foi que mediante estudos europeus, a Madeira já possuía um nível tal que, comparado a outros zonas europeias, já não necessitava de tantos fundos europeus, e Sócrates, baseado nesses estudos cortou o “pouco” que já ia para a Madeira, que levou à queda e respectiva nomeação de AJJ, para mostrar ao Sócrates que pela força do voto popular, AJJ estava impedido de fazer projectos. O que eu não percebo é que com tanta riqueza a Madeira ainda possua pessoas a viver abaixo do nível da pobreza…
2) AJJ é conhaque, mas para conhaque insulta bem todos os outros que contribuem para a riqueza da Madeira… ó não é verdade?
3) Não percebi a parte da questão de Gaia ser reversível…
4) Quando me chama de mentiroso, por favor informa-se melhor, tem aqui um link que o pode elucidar um pouco sobre o assunto - http://ultimahora.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1261609&idCanal=
5) Alias até lhe escuso de lhe dizer de onde vinha o discurso da tanga, pois não?
6) Não defendo mentiras, alias não defendo o Sócrates, agora acharem que para mostrar que estamos bem é gastarmos euros em obras públicas sem dar cavaco a ninguém, isso sim é viver na ilusão de um pais rico (foi nesse contexto que escrevi essa frase), se não percebeu o problema é seu. E por “defender a mentira” tivemos um défice de 6% e andamos a apertar o cinto estes 2 anos, foi porque tivemos um governo que achou que Portugal andava de tanga, mas não se importou de gastar à grande o erário publico, claro está que eu ando mal informado ou sou mentiroso…

Para acabar resta-me dizer duas coisas, volto a dizer que não defendo o Sócrates, mas entre o populismo de Santana Lopes (que deu um excelente 1º ministro que me deu imensas alegrias, tamanha foi a asneirada) e o populismo do AJJ (afinal o tema deste “post” da Sarita), não defendo nem um nem outro, e para isso prefiro o “mentiroso” do Sócrates, porque esse já o conheço e sinceramente não deu tantas barracadas, tem algum credito, fez algumas coisas boas e muitas más, vivemos pior, mas volto a perguntar, a culpa não será nossa enquanto leitores que os elegemos? A 2ª questão era tão só para lhe dizer, caro anónimo II, que perante um comentário destes, só lhe posso perguntar qual é o seu número de filiado?

anónimo ii disse...

Homessa! Então eu não posso gostar de política, tenho que ser militante (é apenas uma pergunta retórica, tão retórica quanto a sua)?
Respondendo:
1)Se a UE cortou (e bem) as subvenções para a Madeira (Jardim ao menos utilizou os dinheiros que lhe deram - em cada terra há um polidesportivo, um centro de saúde, uma escola, etc.), Sócrates ainda lhe foi baixar as subvenções estatais, o que lhe deu motivo para a "guerra". Não percebe como há pessoas a viver lá abaixo do limiar da pobreza? Da mesma maneira que as há nos EUA, França, Finlândia, etc...
2)Uma das coisas que menos gosto no nosso país é a falsa seriedade e a hipocrisia que rege a maioria dos políticos. E é por isso que simpatizo com AJJ, por ser directo no que tem para dizer (mas é bastante fiel a quem lho é também).
3)Em Gaia fizeram-se investimentos. Ora, os investimentos mais tarde darão retorno. Do Governo, infelizmente, não se conhecem, sequer, incentivos aos investimentos.
4)MFerreira Leite, à custa de venda de património, baixou o défice para baixo de 3%. PSL seguiu o mesmo exemplo (e começou a baixar as despesas). Quando Constâncio, a pedido de Sócrates, averiguou o valor do défice, tirou-lhe a venda do património. Daí ter "aumentado". O que o Governo tem feito é aumentar os impostos para tapar esse "buraco"(e espero que comece, agora que pode, a baixar as despesas).
Pergunto-lhe (retoricamente): O que é melhor para os contribuintes? Eu, porém, lhe digo: não se devem vender os anéis.
5)O discurso da tanga veio do Durão, que não entra nestas contas nem eu o quero por cá.
6)A questão do défice já foi respondida.

Não, caro VM, não é nossa. Se eu compro um telemóvel porque tem determinadas características, e chego a casa verifico que fui enganado, vou de imediato reclamar. A questão é: se Sócrates prometeu X e não cumpre, que legitimidade tem ele para continuar no poder? Nenhuma! E quem diz Sócrates diz outro qualquer, o problema é que eles deveriam ser de imediato demitidos, se o Programa de Governo fosse diferente do Programa Eleitoral.

VM disse...

Caro Anónimo II: ora ainda bem que está a chegar à aquilo que eu defendo…

1)Claro que há polidesportivos… o que não há é marinas que não tem lá um barco e não servem para nada… (pode dar o exemplo também da marina da Expo que também não funciona), o que eu gosto e de obras inauguradas à pressa, para as tv’s e depois voltam a tapar tudo para acabar o restante que ficou por fazer… mas também existe vários exemplos no continente, o que eu não vejo é gente a “despedir-se” para voltar a ser eleito… sempre a ofender todos os outros portugueses… quanto à questão da pobreza, concordo, acontece que para a Europa, a Madeira já deveria estar a subsidiar-se a ela própria, tal é a riqueza que gera, mas pelos vistos só o Funchal é rico… se calhar os europeus são mentirosos…
2)Para ser directo é preciso chamar “bando de loucos” a uma assembleia que ele próprio deveria prestar contas? Se formos todos a pensar assim quando formos todos directos andamos aos tiros, insultando meio mundo…
3)Devem ser os mesmos “investimentos” feitos em Lisboa…
4)Não me obrigue a ir pesquisar/buscar os relatórios do Eurostat… relativos a Portugal e ao ano 2005… quer ver que o SL tinha 1 défice para português ver (3%) e um outro para europeu ver (6%)? Prefiro a venda dos anéis e ficar com os dedos…
5)Ahahahahaha
6)…

Pela sua linha de pensamentos se calhar também tínhamos de pôr na cadeia quem adjudica obras aos amigos, não? E já agora quem destrói/fotocopia documentos oficiais/confidenciais, não? E porque não prender quem votou no PS? Volto a dizer, se olhamos para a política como um jogo de futebol então realmente fazemos como todos os outros… despedimos o treinador… realmente Sócrates não cumpriu, subiu impostos, os 15000 novos postos de trabalho nem de perto nem de longe estão atingidos, os ricos cada vez mais ricos, os pobres cada vez mais pobres, etc… e já agora quem é que vê com perfil para nos liderar?

Sarita disse...

isto anda bonito anda...
=)
Para já, pelo menos não me vou pronunciar...

anónimo ii disse...

Caro VM
1)Foi uma jogada política, tão legítima como outra qualquer, a de Jardim, que não percebo qual o problema.
Não há, actualmente, um único país no mundo que se subsidie a si próprio. A Madeira tem grandes receitas no turismo, não vejo onde está o espanto.
Só o Funchal é rico? De onde tirou essa ideia?
2)A maneira de AJJ falar não é exclusiva dele. É sintomática da Madeira. Claro está que, por vezes, abusa. O "bando de loucos" (que seria uma crítica indirecta ao próprio PSD, já que tem a esmagadora maioria dos deputados) foi um exemplo. Mas, como diria o próprio Jardim, “L’État, c’est moi”, vai ele prestar contas a si próprio?
3)Em Lisboa, tirando piscinas, parques de estacionamento, o condicionamento da entrada nos bairros históricos e em monsanto, o túnel do marquês, etc.(quando SL presidente) não foram feitos investimentos como em Gaia, em parques empresarias, polidesportivos, "renovação" do rio, melhorias nas escolas, acessos fora e dentro da cidade, etc.
4)MFL vendia os anéis. Sócrates "decepa" os dedos. Logicamente que preferiria a venda dos anéis, mas e sem anéis que é feito dos dedos? O que eu quero dizer é: nem Sócrates nem MFL estão correctos (o q não quer dizer que SL, por exemplo, esteja). Agora, se quiser procurar, procure. Eu não o obrigo.
5)Então mas não veio de Durão Barroso?
6)Quem apresenta o défice é o governo. Se quisesse, num ano estava resolvido o problema do défice. Num minuto, aliás. Em vez de apresentar 100 de despesas, apresentava 50. E se continuasse a ter 80 de receitas, até gerava um bonito superavit.

Mas eu por acaso disse isso?! Eu só disse que, se não cumpriu o programa eleitoral, Sócrates perdeu a legitimidade. Se Sócrates tivesse dito exactamente o que agora faz, manteria a legitimidade (apesar de eu poder discordar das medidas). E não me venha com a história de que é preciso estabilidade governativa, que para isso temos a Itália.

VM disse...

Caro Anónimo II:

1) Tem a certeza? Dubais, Arábias Sauditas, etc, não subsidiam-se a si próprios? Pela maneira como fala, se a Europa diz (baseado nos estudos deles) que a Madeira já não precisa de fundos, mas se o AJJ diz que sim e faz birra quando lhe cortam os dinheiros, então só posso concluir que um dos dois lados está a mentir, se lhe chama a isso jogada politica vou ali e já venho…

2) Deixe-me que lhe diga, essa desculpa que a maneira de falar é sintomática da Madeira e com isso legitimamos tudo o que o AJJ nos quiser chamar é fantástica… para alem disso o cargo dele tem de prestar contas ao “bando de loucos”, mas como tem a maioria não precisa de prestar nada a ninguém… nisso meu caro tem toda a razão…

3) Piscinas, conheço apenas uma nova… mas fechou pelo menos 2, parques de estacionamento dentro da cidade só atrai + carros, em vez de uma boa politica de transportes públicos (e preços + económicos), parques fora da cidade isso sim teria sido uma boa ideia… para alem disso o condicionamento dos bairros só trouxe mais desemprego… ou acha que Alfama como está agora está melhor do que estava? O Túnel do Marques ainda me parece a obra mais eficaz, mas cortar linhas de água subterrâneas e outras coisas assim foi uma maravilha… e volto a repetir… só fomentou mais transito para a capital… Gaia… sim sim isso tudo, volto a perguntar… a câmara não está falida? Quem vai pagar?... ah já sei… os mesmos do costume…

4) Ambos sabemos quanto era o défice…

5) Sim, claro que sim… mas pediu-me para não falar dele e eu respeito o seu pedido…

6) … e com isso era despedido como foi o PSL…lol

O que eu acho é que existe um problema de comunicação, se ele tivesse chegado ao governo e tivesse dito que tinha encontrado aquilo de tal maneira que não tinha conseguido governar e que por isso fez o que fez… tínhamos aceite… ou não?

anónimo ii disse...

Caro VM,
1) Absoluta. No Dubai, então, o investimento estrangeiro é clamoroso, aliado com o turismo por si provocado. E se juntarmos a esse os restantes países àrabes (penso que os referiu por causa do petróleo), verificamos que pouco mais têm do que petróleo, tudo o resto vem do exterior.
Suponhamos que o orçamento madeirense fosse 70% "interno", 5% de "estatal" (entre "" porque a própria Madeira contribui para o orçamento) e 25% da UE. Se a UE cortou para 5%, seria lógico que o "estatal" permanecesse, ao menos, no mesmo valor. Porque, de facto, baixaram as receitas, a meio do mandato. O que AJJ alegou foi essa questão: prometera X, só tinha dinheiro para X-1. Daí ter saído, para poder apresentar novo programa político com X-1 (já lhe disse que não vejo problema nenhum em haver constantes eleições.)
2)Não, não legitimamos, mas ao menos podemos compreender. Já disse isso mesmo no último comentário: "por vezes, abusa. O 'bando de loucos' (...)foi um exemplo."
3)Piscinas, assim de cor, retenho as (que ficam para os lados) do Restelo, do Alvito, de Campo de Ourique, de Marvila, do Clube Nacional de Natação (ajudou a construir, por ser privada, tendo usado parte do terreno para construir um parque de estacionamento numa zona residencial - repito, residencial - de difícil parqueamento). Na questão dos transportes públicos concordaria consigo, mas não cabe ao Prs.da CML esse assunto (o que, diga-se de passagem, é um non-sense).
Se tal aconteceu em Alfama, foi por falta de conclusão dos trabalhos (concordará comigo que é preciso arranjar as casas e limpar as ruas - ou talvez não!).
Quanto a Gaia volto a dizer: daqui a pouco tempo recuperará boa parte do investido. Pelo que não se pode dizer que esteja falida. Mas o que não falta são câmaras falidas ou que desperdiçam dinheiro em nada.
4)Retire os impostos que Sócrates aumentou. Decerto disparar para os 6% ou 7%.
6) Não, não era. O problema maior de SL foi não ter sido ele, ter tentado agradar aos portugueses/comentadores (o que daria para outra conversa).

Não, não tínhamos. Na Bélgica, por exemplo, houve eleições, andaram 6 meses sem governo, até que lá formaram algo parecido com isso. Em Itália, Berlusconi foi o que mais tempo teve no governo depois de Mussolini (isto é, há eleições constantes.)
Se Sócrates visse que não podia cumprir com o prometido, que pedisse novas eleições. Era dinheiro deitado à rua? Para a democracia nunca nada é de mais.

VM disse...

Caro Anónimo II:

1) O petróleo paga tudo (inclusive os empregados reformam-se aos 50 anos sem fazer qualquer desconto para “seguranças sociais” que nesses países não existem), quando falo em subsidiarem-se falo em terem capacidades de gerar um negócio “interno” e depois poderem dar condições ao seu povo, adquirindo o que eles não geram, para uma melhoria geral. Se cada vez que os combustíveis subirem, os alimentos subirem, e os estados virem que não conseguem pagar as facturas e sobem as impostos (ou lhe cortam os dinheiros “estatais”) e com isso violam as promessas eleitorais então passávamos a ver a maioria dos países democráticos em eleições… Na Bélgica (o exemplo que deu) andaram em negociações entre partidos, não passaram os fins-de-semana a “obrigar” os eleitores a botar cruzinhas em papel durante estes últimos 6 meses, pois não?
2) Ó caro anónimo… se eu cada vez que discordasse com o meu chefe e lhe chama-se de louco duvido muito que ele me compreende-se… a educação fica bem até na politica… se o caro anónimo concorda com o tipo de educação/politica que o AJJ faz… mais vale pôr o “Circle do Soleil” a governar-nos…
3) Hummm… mas fechou as piscinas do Arreiro e Olivais… quanto aos transportes públicos não cabe a um presidente de uma câmara municipal, por sinal a maior do país (integrado na maior junta metropolitana do país) administrar isso, mas não ficava mesmo nada mal a câmara ter um gabinete a coordenar os transportes públicos da cidade (em colaboração com os diferentes empresas de transportes), ou não? Se queremos não poluir temos de incentivar as pessoas a utilizar os transportes públicos e adequar os transportes e horários ao ritmo da cidade… não podemos estar à espera de um bus 30 minutos, pois não? E expandir o metro até as cidades limite também seria uma boa ideia, não acha? Não acha que um presidente de uma câmara não deveria se preocupar com isso antes, por exemplo, de lançar portagens na cidade? Alfama perdeu vida… fizeram uma ilha dentro da cidade (eu falo de Alfama por a conheço-a muito bem, não sei se nas outras zonas/ilhas serão assim) e não foi por causa das ruas ou das pessoas que já lá viviam… e condições para viver numa cidade como Lisboa não será pagar um T1 ao preço de um T3 no Montijo. Sem duvida, duvido mesmo que exista alguma câmara sem dividas, quanto a Gaia verei o próximo relatório do INE sobre o endividamento das câmaras para ver os “retornos” que a mesma terá…
4) Caro anónimo… hoje saímos da lista negra da CE, de qualquer maneira (devem estar ceguinhos os europeus) se em vez de andarmos a fazer eleições cada vez que alguém não cumpre com o seu programa não seria muito mais engraçado punir quem, literalmente, deveria zelar pelos dinheiros públicos e aplica-los devidamente e em vez disso faz negócios desastrosos para o erário publico e põe o Estado de pés e mãos atados (só para dar dinheiros a amigos ou então retirar algum beneficio mais tarde)? Tem um excelente exemplo chamado Lusoponte… e outros…
5) O caro anónimo chama-lhe agradar, eu chamo-lhe incompetência…

Já lhe respondi em parte no ponto 1), e em democracia nada é demais, mas há limites para tudo…

anónimo ii disse...

Caro VM,

1) Uma vez disse o ministro saudita do petróleo: "A idade da pedra não acabou por falta de pedra." O petróleo não é nada, nunca será nada.
Não percebi essa de se os alimentos subirem os estados terem que aumentar os impostos... que é que tem uma coisa a ver com outra?
E seria mau, passarmos a ver os países em constantes eleições? Em Itália (novamente) há eleições constantes.
O exemplo belga foi para demonstrar que não há, de facto, grandes preocupações por não haver governo (pelo que não temos de nos preocupar com a estabilidade.)
2)Já ouviu falar em Adhemar de Barros? Um político brasileiro que ganhou várias eleições com cartazes como "Adhemar: rouba, mas faz."
É lógico que nem oito nem oitenta, se rouba é outra história, mas AJJ poderia ter um cartaz estilo "Jardim: fala e faz". (até porque em democracia não há chefes)
(já disse o que pensava sobre o "bando de loucos" - a propósito, o que acha de um deputado andar com um relógio de cozinha pendurado ao pescoço?)
(Quanto ao “Circle do Soleil”, está a ridicularizar a questão)
3)Tanto quanto julgo saber, eram piscinas sem condições, pelo que devem estar à espera de obras.
Deve ser azar o seu, mas eu nem ao fds fico à espera de um bus tanto tempo...
Seria, mas veja lá no site do metro as "próximas paragens".
A quantidade de portagens que SL põs foi, de facto, impressionante...
Se fala dos preços das casas em Lisboa é porque nem sonha quanto custa um miserável T0, por exemplo, no Algarve.
Por Gaia esperaremos, então.
4)Não andam ceguinhos porque, objectivamente, o défice é aquele. Como o era no tempo de SL.
Seria, de facto, "mais engraçado". Mas eleições constantes (repito) não são problema algum.
5)Chamo-lhe agradar e sabe porquê? 1 exemplo: quando foi escolhido, vieram logo umas vozes acusarem-no antes de tempo. SL, então, lá põs uns óculos manhosos para ler um discurso que não escrevera (logo ele, que ainda sabe falar). Foi ridículo. E ao longo do mandato só fez coisas dessas, para fingir que não era quem sempre foi.

VM disse...

Caro Anónimo II:

1) Se por qualquer imprevisível contrariedade mundial (ou nacional) os governos tiverem de mudar os respectivos programas eleitorais então estávamos sempre em eleições (dai o problema da comida, mostrar que vivemos à escala global e qualquer coisa pode afectar as economias nacionais de cada país)… o “problema belga” não podia cá acontecer, por uma questão de noticia e de educação.
2) Não… mas já ouvi falar em Valentim Loureiro e frigoríficos e no magnífico exemplo do Avelino Ferreira Torres…
3) Piscinas sem condições deveriam ser reparadas logo, não? Devo ter azar… mas caro anónimo posso fazer o teste à hora de ponta de quanto tempo fico à espera de um 50 ou 28 (que são as carreiras que mais utilizo). Paragens de Metro como a Sta Apolónia… deixe de lá sair a estação de metro e vamos ver para que serve aquilo que lá fizeram (e gastaram… mas como lá vai ficar um hotel de 5 estrelas a roubar mais uma vista do rio ao lisboeta estamos todos bem…). Algarve está feito para inglês ver, não para português viver… por isso não vou para lá
4) … ora ainda bem que chegamos a bom porto quanto a este ponto…
5) Escreva os discursos, por exemplo… se os manda escrever que os leia antes… se isto não é incompetência…

anónimo ii disse...

Caro VM:

1)Sócrates mentiu deliberadamente, não houve nenhuma "surpresa de última hora". Prova disso foi o discurso que Jaime Gama fez pelo PS no final da discussão do Orçamento de Estado, em que declarou que, pelas contas do PS (sem receitas), o défice deveria estar em 6%.
Crise é crise.
2)Ricos exemplos, sim senhor.
3)Pois deviam, mas se diz que a câmara está falida...
E essa do metro, de certeza que não é culpa do Santana.
(Quanto ao Algarve... é que nem vale a pena comentar.)
4)Pois chegámos: que o défice é uma invenção política, quer com receitas extraordinárias, quer com impostos mais altos.
5)Lembra-se de quanto tempo dispôs SL para formar governo?

VM disse...

Caro Anonimo II:

1) Recorde-me esse discurso de Jaime Gama, sff… foi à pouco tempo?
2) Na linha do tal Adhemar de Barros… e na linguagem do AJJ (devo ser eu que embirro com a linguagem da Madeira, peço desculpa)
3) Mas fantasticamente consegue erguer piscinas novas públicas e ajudar entidades privadas… falou das estações, certo? E eu lhe falo da cidade de Lisboa no tempo em que o Santana era presidente de câmara, onde está os prédios recuperados pela câmara e entregues a jovens?
4) Ehehehehe portanto temos dinheiro com força para gastar, certo?
5) Faltava cá o tempo… o tempo foi curto, sim, mas diga-me lá… ele era assim inexperiente, era? Já não tinha sido ministro, não? Ó caro anónimo II… não disfarce incompetência com qualquer outra coisa… ele até adorava comentar as desgraças dos outros…

anónimo ii disse...

Caro VM:

1)Recordo-lhe, com todo o gosto:
"Considerando as necessidades globais de financiamento do Estado do sector público administrativo, das empresas públicas deficitárias, dos hospitais SA e de outros, o défice anual já é superior a 6%"(17 de Novembro de 2004, Assembleia da República).
2)São maneiras de falar.
3)Ajudar entidades privadas (que não uma qualquer), ainda para mais se o negócio for bom para a cidade.
E que têm as estações a ver com as casas para os jovens? Sei lá onde estão, provavelmente não existem, mas claro, para quem dizia que o SL não tinha feito nada em Lisboa é preciso arranjar sempre alguma coisa para criticar...
4)Errado. Se os governos quiserem não há défice, mas como é útil eleitoralmente há-o.
5)Esta foi a melhor! O Santana nunca foi ministro, nunca! Se fala de imcompentência pergunto-lhe (o que há muito já deveria ter perguntado): que é que Santana fez mal? onde é que foi incompentente?

VM disse...

Caro Anónimo II:

Vou concluir, porque pelos vistos quer mesmo defender a sua dama, mesmo perante evidencias… começo pelo fim… mea culpa, realmente ele não foi ministro, foi ministro adjunto do primeiro-ministro do IV governo constiucional e secretario de estado da cultura do XI governo constitucional, não foi realmente ministro mas andou perto, não? A frase que atribui a Jaime Gama ainda Santana Lopes era primeiro-ministro, actualize-se… se não há défice vivemos todos na mentira, logo acabem com o aperto do cinto e gastamos à parva como aconteceu recentemente com os governos PSD.

Santana é (ou foi) incompetente… câmara da Figueira da Foz: fez um artigo a auto-elogiar-se da grande obra que foi montar não sei quantas paragens de autocarro porque realmente não havia mais nada para fazer, mas conseguiu deixar aquela câmara cheia de dividas; câmara de Lisboa: episodio Bragaparques, Frank Ghery que ganhou uma pipa de massa e fez uma maqueta linda de morrer e fez uma valente obra ali para os lados do Parque Mayer, trapalhadas enquanto primeiro-ministro, nem um projecto coerente para a governação do país eu ouvi da boca dele, a conversa do menino-guerreiro e a choradeira do irmão que leva pontapés no berço para justificar más decisões, caro Anónimo II não acha incompetência a mais? Quer mais provas? Quer justificar as más opções com o tempo? Tipicamente luso. Já lhe disse… não estou para aqui a defender Sócrates, agora reconheço-lhe algumas coisas boas (aborto, divorcio, funcioanrios públicos, etc) e algumas más (aumento do IVA, não fez referendo sobre o tratado europeu, recibos verdes, etc), mas volto a dizer: conhecendo este primeiro-ministro e vendo as opções que se perfilam sem duvida que prefiro Sócrates, e com candidatos assim a direita só dá mais argumentos à esquerda para ter uma nova maioria (parafraseando Sarita), tenho pena para esta democracia que o maior partido na oposição ande à deriva à espera de um Messias (tipo um Sá Carneiro ou um novo Cavaco) e os salve e os leve novamente ao poder. E volto ao início, que projecto ouviu da boca de qualquer um dos candidatos a presidente do PSD para este país? Conseguiu dizer-me um? Não, esteve para aqui a esgrimir argumentos do género “ele é coitadinho, só lhe fizeram mal, os outros é que são ruins, etc”, vivendo do passado. É como no futebol, quando as equipas não marcam golos a culpa é dos árbitros, caro anónimo II fique com a sua razão, eu fico com a minha (e com vários exemplos que lhe dei), se quer continuar a meter as palas à frente dos olhos a opção é sua, a cenoura está logo ali… eu prefiro viver na minha “mentira” (já me chamou mentiroso).

Obrigado por esta discussão útil sem dúvida para a nossa democracia, tenho pena que não aja mais deste género que leve os portugueses a participar mais a sua própria cidadania.

anónimo ii disse...

Caro VM,

Evidências? Quer evidências? Mas quer daquelas evidências mesmo evidentes? Daquelas que depois de ver dizemos "É pá, que evidente!"?

É óbvio que a frase foi do tempo em que SL era PM (logo, Sócrates mentiu, ao dizer que não sabia quanto era o valor do défice e, por isso, tinha que aumentar os impostos - esta, meu caro, era a questão essencial, a da mentira).

Santana nunca foi, repito, ministro, nem sequer no IV governo constitucional (Mota Pinto, por sinal, nem tempo teve para aquecer o lugar).

Se o Orçamento de Estado, em vez de dizer "vou gastar X", dissesse "vou gastar X-1), não haveria défice (mas é "útil" que o haja). O que não quer dizer que sejamos ricos, bem pelo contrário. E realmente, nos governos do PSD o que não faltou foi festarola e propaganda, como neste...

Mas voltando ao início: quer factos?
Figueira da Foz: saneamento básico, transportes públicos, arranjos por todo o concelho.
Lisboa: por acaso sabe o que é o caso Bragaparques? Se SL é culpado, pior são todos os outros, que agora esperam tirar dividendos e na altura aplaudiram. Frank Ghery? Se tivessem deixado, a esta altura Lisboa tinha um magnífico centro cultural da autoria de um dos maiores arquitectos do mundo, mas o Parque Mayer pertencia... à Bragaparques! E (volto a isto) as piscinas? O saneamento nalguns locais? O Túnel do Marquês (que toda a gente sabe porque teve interrompido)? O encerramento ao trânsito dos bairros históricos, como acontece por essa europa fora?

Sim, realmente, foi tudo honesto menos ele, quando foi PM: até o acusaram de ser responsável pela morte da Pintasilgo! (porque a senhora queria que houvesse eleições, e como não houve, pimba... deu-lhe o badagaio!)
E é pelo que ele disse que o acusa? Só isso, VM, só isso? É pouco... olhe, por exemplo, o IRS, que ele baixou, ou a confusão na TAP, que se arrastava há meses e ele acabou (mas claro, para quem dizia ele não tinha feito nada...)

E quer mais evidências? Pois dou-lhe mais duas: um edifício que fica ali para o lado do Mosteiro dos Jerónimos e que se chama Centro Cultural de Belém. Adivinhe quem foi o responsável (era secretário de estado). Ou a decisão de atribuir subsídios ao Fantasporto, de quem terá sido? Ou aquele outro projecto, ali para os lados da cidade universitária, que dá pelo nome de Torre do Tombo (e que se arrastava desde... 1755!)
É isto incompetência? Chama a isto incompentência? Bendita incompentência! (e santa ignorância...)

A verdade é sempre melhor que a mentira. Ainda ontem a MFL prometeu que, se pudesse, "ajustaria" o IMI. O PPC prometeu "vender" a CGD. SL prometeu portajar as SCUT, para poder baixar os impostos. Até posso nem concordar, mas são propostas. Que não as havia, dizia ele...

Quem se fartou de dizer que era mentiroso de certeza que não fui eu (eu disse que o que disse era mentira, mas lá por ser mentira não quer dizer que quem o disse o seja, pois limitou-se a repetir um lugar comum).


E esta sua "fuga para a frente", para não ver o evidente, para fingir que sabe (porque quem não sabe é como quem não vê), é causa principal da pena que manifesta no final.
Se os portugueses não debatem, é porque não têm a coragem de reconhecer que estão errados, a coragem intelectual de reconhecer que os argumentos dos outros são válidos e mais fortes. E isso, caro VM, isso estraga a democracia, principalmente quando é feita com base em argumentos de "diz que disse", utilizando o mais vulgar lugar-comum que não dignifica em nada a cultura popular.

Agradeço-lhe eu também, sobretudo porque conseguiu alongar o debate recorrendo a nada, pois nada tinha para dizer.

o gordo disse...

pa tenho seguido o vosso debate e não quero que me chame burro só porque não vou meter a colherada, mas desculpe lá quando se presta um serviço a outrem e algo corre mal a quem se pede contas? Ao funcionário ou ao chefe? E essa de mostrar obras só para dizer que o outro nada disse também é esperta, de certeza que deve ser amigo ou funcionário publico, medidas meu amigo, medidas para melhorar a vida portuguesa pá, as pensões e reformas, acabar com os recibos verdes, onde estão? Sabe dizer-me? Não sabe, pois não, só me dá exemplo de betão, que é disso que este país é rico, qualquer dia vejo-o a comer alcatrão… mas atenção eu ao contrario do vm não vou alongar o debate, porque estou definitivamente errado e não tenho coragem de assumir que o Durão+Santana puseram este pais de pantanas e agora tenho de andar a apertar o cinto porque dá jeito ao outro, ó anónimo ainda bem que aprecia o centro comercial (+1) que esta no parque mayer, mas so você sabe discutir politica, os seus argumentos são mais fortes e validos… se me der o nome voto em si.
saudações (ainda bem que se calaram)

o gordo disse...

ó anónimo só mais uma coisinha, na democracia respeita-se a opinião contraria, não se insulta as pessoas, apresenta-se factos e provas, o vm pode ser daq cultura popular mas isso não significa que a opinião dele não seja mais valida do que a sua sabedoria… portanto não vejo que com isso estrague a democracia…
(silencio)

anónimo ii disse...

Caríssimo Fernando Mendes!

Então mas eu chamei alguém de burro? Se dizer que as pessoas têm que começar a reconhecer quando estão erradas (e não querer ter sempre a razão) é chamar os outros de burro vou ali e já volto...
.
.
.
(...já voltei.)
Ao funcionário ou ao chefe? Depende do que seja, mas não vejo o que isto tem a ver com o resto (mas se calhar sou eu, que sou de compreensão lenta às quintas).
Então mas se "o outro" sempre disse que o SL nada fizera, queria que eu dissesse o quê? Simplesmente provei que ao menos o homem fez qualquer coisinha.
Medidas? Então e o IRS, não contou?
E eu defendi o Durão, por acaso? (se calhar defendi, mas não me recordo nem encontro onde o tenha feito... mas atenção: não estou a dizer que não o tenha feito!). E quanto ao Santana, acaso disse que o homem foi um bom PM? Só não acho que tenha sido aquela abominação que se tenta passar para o grande público.
Ai aprecio muito, sim senhor, principalmente com feijão branco...

Quer então o meu nome? Anónimo II (que é tão bom nome como O Gordo...).

anónimo ii disse...

"não se insulta as pessoas, apresenta-se factos e provas," e que foi que eu fiz? Ainda agora me acusava de só apresentar provas...

Chama opinião utilizar "provas" sem fundamento, de lugar-comum?
Assim, sim, vamos longe...

E duvido, duvido muito, que seja mais culto do que o vm (nunca disse isso, nem me irá ver dizê-lo).
Até porque, na maior parte dos casos, o insultado não foi ele...
(que se vai cantar o fado.)

o gordo disse...

“Se os portugueses não debatem, é porque não têm a coragem de reconhecer que estão errados, a coragem intelectual de reconhecer que os argumentos dos outros são válidos e mais fortes. E isso, caro VM, isso estraga a democracia, principalmente quando é feita com base em argumentos de "diz que disse", utilizando o mais vulgar lugar-comum que não dignifica em nada a cultura popular.

Agradeço-lhe eu também, sobretudo porque conseguiu alongar o debate recorrendo a nada, pois nada tinha para dizer.” Para alguém que escreveu isto e se diz democrático e só tenho q lhe dizer 1 cena: não é dono da razão nem da verdade, as suas argumentações basearam-se em algumas medidas que o outro fez e o vm passou o debate todo a mostrar que foram mais as asneiras do que as medidas boas, das quais você caro anónimo (bonita alcunha a sua) não refutou nenhuma… como não vai a eleições (porque é isso mesmo, um anónimo, que não assina nem escreve) não o vejo a cantar o fado. Passe bem (que eu cá vou vendo o seu Santana a enterrar-se).

ahahahahahah

Gervásio (o anónimo ii) disse...

(suspiro...)
Se os meus argumentos se basearam em "algumas medidas" (e que medidas!), que argumentos utilizou o vm?
A da má medida que foi o encerramento dos bairros históricos (por exemplo)? Então eu não disse o que faltava fazer? Então eu não retorqui?
E quando é que eu disse que era dono da verdade? A verdade é só uma, não há meias verdades (dizer que "chegou à capital, prometeu, prometeu e nada… saiu de Lisboa sem cumprir uma única promessa" - no blog pessoal - e dizer "Santana Lopes deixou trabalho na Figueira da Foz e em Lisboa" - aqui - não é argumentar seriamente.)
E refutações ao que eu disse, houve?

É, de facto, uma bonita alcunha. Mas mesmo assim desta vez assino gervásio, que é um nome como outro qualquer, tão bom como "o gordo"...
(sinceramente, não podia ser melhor personagem a dizer-me isso, ainda por cima depois de ter dito "não vou alongar o debate"...)
Assina e excreve,
Gervásio.