1.1.12

o prometido é devido

Pois bem.
Chegámos a 2012.
Sem grandes histórias posso dizer que o ano que passou foi um ano de mudança.
Eu mudei de emprego, achando que ia mudar para melhor, a empresa onde estava anteriormente, e onde também estava o meu marido passou, num abrir e fechar de olhos, de uma empresa líder no seu segmento, para, atrás de uma linda fachada de "está tudo bem", entrar em layoff, despedir pessoas e estar à beira da falência.
Com tudo isto, o meu marido viu-se sem trabalho, mas porque Ele é fiel, deve ter sido o desempregado mais curto da história, porque em pouco mais de 2 semanas já estava a trabalhar, e em melhores condições do que anteriormente, e sobretudo, acho que mais realizado profissionalmente.
Chegou-se o final do ano e aproximou-se a decisão de, se me iriam ou não renovar o meu contrato. Sem razão aparente, nem justificação dada, o mesmo não foi renovado e vi-me, no final do ano de férias antecipadamente.
Aguardo agora para que esta semana, sejam entregues por parte dos meus antigos patrões os papeis para o Fundo de Desemprego, e farei parte, pela primeira vez das estatísticas.
Nada que nos tenha surpreendido, aliás, estarmos os dois a trabalhar na área da construção, numa altura em que a construção está pela hora da morte, era algo que faria prever tal desfecho.
Cá para casa, 2012 chegou repleto de desafios.
De desafios e de sonhos.
Acho que a palavra correcta será "crescimento".
Queremos crescer...

Profissionalmente
Em número
Naquilo que tem sido a nossa relação com Aquele que, não nos tem impedido de passar pelas dificuldades, mas que nunca nos deixou sós no meio das provações.

Encontro-me numa fase em que preciso de encontrar um novo rumo profissional, e apesar da crise e da altura imprópria, a verdade é que o que me apetecia mesmo era baralhar bem as cartas e dar uma nova mão.

Conforme prometido cá estaremos novamente para contar a história.

3 comentários:

Antonio Batalha disse...

Visitei seu blog, e dou-lhe os parabéns. Gostava que fizesse parte dos meus amigos na Verdade Que Liberta, se seguir meu blog siga de forma a que eu possa seguir também o seu blog. Desejo para si e para seus familiares um Ano-Novo cheio de saúde e união na graça de Jesus. Um abraço.

Anónimo disse...

Será que o que aconteceu na tua empresa não foi mais um equilibrar de contas, como está a acontecer um pouco por todo o país, é que despedir pessoas é uma das formas mais eficazes de o fazer porque se aproveita a chama crise como desculpa. Se te propuserem não voltavas para lá? Ou preferes estar desempregada?

Sarita disse...

Anónimo, não foi bem. É certo que a crise não ajudou, mas não foi esse o real motivo... e o real motivo é demasiado complicado...
Honestamnete não gosto de estar desempregada, mas não voltava para lá se me propusessem... se me tivessem renovado o contrato, apesar de não estar satisfeita, ficaria. Mas depois de me terem mandado embora, já não voltava.